Você sabia que no dia 10 de maio é celebrado o Dia Internacional de Atenção à Pessoa com Lúpus?

A data tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância de se manter atento e ciente aos aspectos da doença. Mas, você sabe o que é lúpus e quais são seus sintomas? Vamos conhecer?

A data tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância de se manter atento e ciente aos aspectos da doença. Mas, você sabe o que é lúpus e quais são seus sintomas? Vamos conhecer?

É uma doença com um diagnóstico que pode ser um pouquinho complicado de ser realizado, porque a diversidade de manifestações e sintomas provocados por ela abre um leque de possíveis outros distúrbios.  

É inflamatória e de origem autoimune, ou seja, é uma condição onde o seu próprio sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis por engano. Dentre as doenças autoimunes, o lúpus é uma das mais importantes.  

No caso do lúpus, o sistema imunológico passa a produzir anticorpos em excesso. O que acontece é que, por estar em alta concentração, eles passam a atacar o próprio organismo, o que acaba por provocar lesões e inflamações em diversos órgãos.  

É uma doença que é mais comum nas mulheres jovens. Ano passado, artistas como Selena Gomez e Lady Gaga revelaram sofrer com o transtorno.  

Tipos

O lúpus pode ser dividido em 4 tipos:

Lúpus Discóide: Nesse tipo de lúpus, a inflamação é limitada à pele. Nesse caso, é possível identificar a partir do surgimento de lesões avermelhadas que, geralmente, aparecem na nuca, rosto e couro cabeludo.  

Lúpus Sistêmico: Esse é o tipo mais comum da doença, que pode ter um grau leve ou grave. Nesse caso, a inflamação ocorre no organismo e acaba por comprometer vários órgãos ou sistemas do corpo. É válido lembrar que que algumas pessoas com o lúpus discóide pode evoluir para essa forma sistêmica.  

Lúpus induzido por drogas: Nesse caso, a doença é causada por uma inflamação temporária durante o uso de algumas drogas ou medicamentos.

Lúpus neonatal: Esse é uma condição rara que afeta filhos de mulheres com lúpus.

Ao nascer, a criança pode ter problemas no fígado ou baixa contagem de células sanguíneas. A boa notícia é que os sintomas desaparecem completamente após vários meses sem efeitos duradouros.

Nesse caso da doença, também é possível que o bebê tenha um problema cardíaco grave, porém, com testes adequados, é possível que o médico identifique e trate a criança antes ou depois do nascimento.

Causas  

Como visto, o lúpus ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói os tecidos saudáveis do corpo. Ainda não se sabe exatamente o que causa essa doença autoimune, mas pesquisas indicam que ela pode ser um um resultado de uma combinação de fatores de risco:

  • Gênero: a doença é bem mais comum em mulheres do que em homens.  
  • Idade: a maior parte acontece entre os 15 e 40 anos, mas pode surgir em todas as idades. A média é em torno de 31 anos.  
  • Etnia: a doença é mais comum em pessoas afro-americanas, hispânicas e asiáticas.

E quais são os sintomas da doença?

Os sintomas podem aparecer de repente ou se desenvolver mais lentamente. Além disso, podem ser leves, moderados ou graves, temporários ou permanentes. Existem alguns sinais mais comuns, que são:

  • Fadiga
  • Febre
  • Dor nas articulações
  • Dificuldade para respirar
  • Dor no peito
  • Sensibilidade à luz do sol  
  • Dor de cabeça
  • Perda de memória
  • Queda de cabelo
  • Feridas na boca

Esses sintomas variam e dependem muito de qual parte do corpo está sendo afetada pela doença.  

Existe cura para o lúpus?

Ainda não, mas com um tratamento adequado e acompanhamento médico, é possível ter uma melhor qualidade de vida.

Fontes: https://www.minhavida.com.br/saude/temas/lupus


A felicidade traz saúde!

Hoje é o dia internacional da felicidade e resolvemos vir aqui te contar uma coisa importante: felicidade traz saúde e saúde traz felicidade 😀  

Não é de hoje que ouvimos dizer que a felicidade gera um efeito positivo nas pessoas. Muito se discute sobre os impactos positivos dessa sensação na nossa saúde, tanto mental como psicológica. E está comprovado: um levantamento realizado pela empresa de pesquisa CVA Solutions revela que a felicidade é um fator fundamental para a manutenção da saúde e prevenção de doenças.  

Muitos dados foram revelados pela pesquisa. Entre eles, 67% dos entrevistados que se dizem muito felizes afirmam ter saúde boa ou excelente. Desses, 51% praticam atividades físicas pelo menos três vezes por semana. Além disso, a felicidade está também associada à prevenção: 64% das pessoas visitam algum médico regularmente e 14,4% participam de programas de prevenção. Além disso, existem mais alguns dados extremamente importantes: 73% dos entrevistados que afirmam ser felizes não têm doenças crônicas! 

Os benefícios da felicidade para a saúde 

Como foi apontado, a felicidade gera um grande impacto na saúde. Mas, quais são os benefícios diretos? Separamos para te mostrar!  

A felicidade: 

  • Melhora a imunidade 
  • Reduz a quantidade dos hormônios do estresse 
  • Evita e ajuda a tratar hipertensão 
  • Melhora o perfil metabólico 
  • Age contra a diabetes 
  • Favorece a perda de peso e, consequentemente, combate a obesidade 
  • Diminui o risco de infecções 
  • Combate o envelhecimento cerebral 
  • Evita a depressão 
  • Diminui o risco de problemas nas articulações 
  • Previne doenças cardiovasculares 
  • Auxilia no tratamento de câncer e doenças no geral 

Mas, como ser feliz? 

Claro que felicidade é um sentimento transitório e, muitas vezes, não temos o controle sobre ela. E não existe uma receita, um passo a passo de como ser feliz, cada um pode se sentir feliz de uma maneira diferente. No entanto, existem alguns fatores que podem ajudar, por exemplo: 

  • Manter uma rotina de exercícios 
  • Ter algum hobby que te faça bem  
  • Manter uma rotina de meditação 
  • Ser gentil, empático e cultivar relações saudáveis 
  • Passar um tempo de qualidade com as pessoas que você ama  
  • Tente ser grato pelo máximo de coisas possíveis 
  • Não abra mão da sua vida social  

Além disso, uma outra pesquisa realizada em 2016, pela CVA Solutions mostra que a felicidade está ligada a vários fatores, várias atitudes e comportamentos que podem ser tomados para que o caminho para o sentimento se torne mais curto e mais fácil. Dentre eles estão:  

  • Estabelecer e atingir objetivos de vida 
  • Praticar atividades físicas 
  • Ser altruísta 
  • Manter atitudes e pensamentos positivos 
  • Ser otimista 
  • Ter uma religião 

Existem diversos outros fatores que podem influenciar nessa busca. O importante é que você encontre aquilo que te faça bem e cuide de você 🙂  

Incontinência urinária: tratamentos e prevenção

Tratamento da incontinência urinária 

O tratamento da incontinência urinária depende muito de qual o tipo, da sua gravidade e da causa subjacente. Pode ser necessária uma combinação de diversos tratamentos. Algumas técnicas são menos invasivas do que outras e eles são prioritários. A equipe médica só passa para outras opções se as primeiras técnicas falharem.  

Técnicas comportamentais 

  • Treinamento da bexiga. É uma tática que consiste em retardar a micção depois que você tem o desejo de ir. Você pode começar tentando adiar por 10 minutos a ida ao banheiro a cada vez que você sentir vontade de urinar. O objetivo é aumentar o tempo entre as viagens ao banheiro. Quando você perceber, estará urinando apenas a cada 2-4 horas.  
  • Micção dupla. Essa tática ajuda a aprender a esvaziar a bexiga mais completamente para evitar a incontinência por transbordamento. O significado de micção duplo significa urinar, esperar alguns minutos e tentar novamente.  
  • Programadas idas ao banheiro a cada duas a quatro horas em vez de esperar a necessidade de ir. 
  • Dieta com controle de fluídos, para recuperar o controle da sua bexiga. Dessa forma, você pode precisar cortar ou evitar o álcool, cafeína ou alimentos ácidos. Além disso, reduzir o consumo de líquidos, aumentar o consumo de fibras, perder peso ou aumentar a atividade física também pode aliviar o problema.  

Cinesioterapia do assoalho pélvico 

Nesse caso, o médico pode recomendar exercícios para fortalecer os músculos que ajudam a controlar a micção. Nesse caso, são feitos sob a orientação de um fisioterapeuta. Essa tática também é conhecida como exercícios de Kegel, que tem como finalidade fortalecer o músculo pubococcígeo. Este exercício consiste na contração e descontração destes músculos e são especialmente eficazes para a incontinência de esforço, mas podem também ajudar a incontinência de urgência.  

Estimulação elétrica 

Eletrodos são temporariamente inseridos no reto ou na vagina pra estimular e fortalecer os músculos do assoalho pélvico. Essa estimulação pode ser eficaz para os tipos de incontinência de esforço e de urgência, mas podem ser necessários vários tratamentos ao longo de vários meses. 

Medicamentos 

Para tratar a incontinência urinária, alguns dos medicamentos usados são: 

  • Anticolinérgicos 
  • Mirabegron 
  • Bloqueadores alfa 
  • Estrogênio tópico 

Dispositivos médicos 

Existem alguns dispositivos que são destinados a tratar a incontinência. Dentre eles: 

  • Inserção uretral de um dispositivo pequeno. É do tipo descartável e é inserido na uretra vaginal antes de uma atividade específica, como vôlei, que pode provocar incontinência. Nesse caso, a inserção atua como um tampão. 
  • Pessário, que é um anel rígido usado para inserir na vagina e usar todos os dias. Esse dispositivo ajuda a segurar a bexiga, que fica muito perto da vagina. Ajuda a evitar a perda de urina. 

Terapias de intervenção  

As terapias de intervenção podem ajudar com a incontinência. Dentre elas, podemos destacar: 

  • Injeção de material sintético 
  • Botox 
  • Estimuladores de nervos 

Cirurgia 

Como dissemos ali em cima, os tratamentos menos invasivos são a prioridade. Mas, se os tratamentos não estão funcionando, vários procedimentos cirúrgicos podem tratar os problemas que causam a incontinência urinária, como por exemplo: 

  • Sling
  • Suspensão do colo da bexiga
  • Cirurgia de prolapso
  • Esfíncter urinário artificial

Absorventes e cateteres 

Caso os tratamentos médicos não sejam suficientes para eliminar completamente a sua incontinência, você pode experimentar produtos que ajudam a aliviar o desconforto, como absorventes e roupas de proteção ou cateteres.  

Prevenção 

  • Faça exercícios de kegel, que servem para combater a perda involuntária de urina. Ele age tonificando e fortalecendo o músculo localizado no assoalho pélvico.  
  • Evite álcool e bebidas com cafeína 
  • Controle a diabetes 
  • Largue o cigarro 
  • Elimine o excesso de peso 
  • Conte sempre com o seu médico 

Convivendo com a doença  

Conviver com a incontinência urinária pode ser trabalhoso. Pode exigir, dentre outras coisas, um cuidado extra para evitar a irritação da pele. Para isso, você pode: 

  • Usar um pano úmido para limpar a si mesmo 
  • Manter a pele sempre seca 
  • Evitar duchas frequentes 
  • Considerar o uso de cremes para proteger a sua pele da urina 

Se sua incontingência for de urgência ou noturna, é preciso fazer com que a ida ao banheiro seja mais conveniente. Nesse caso, considere: 

  • Mover quaisquer tapetes ou móveis que aumentem o risco de tropeçar ou colidir 
  • Use uma lanterna para iluminar o caminho 

Se sua incontingência for funcional, você pode: 

  • Instalar um assento sanitário elevado 
  • Ampliar uma porta de banheiro existente 

Além disso, a incontingência urinária pode causar muita vergonha e desconforto. Para tentar lidar com o problema, você pode tentar por conta própria, com uso de absorventes higiênicos, por exemplo. Além disso, leve roupas extras ao sair.